Este blog está licenciado sob os termos do Creative Commons. Clique no ícone para maiores informações. Creative Commons License

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Alerta: avanço do mar já está reduzindo faixa de areia no Brasil

Um estudo apresentado durante a 62ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizado no fim de julho no Rio Grande do Norte, trouxe dados que mais uma vez evidenciam os efeitos do aquecimento global sobre o planeta.

                                                   Avanço do Mar em João Pessoa, Paraíba

O estudo confirma aquilo que os moradores da orla marítima já sabem há muito tempo: a areia das praias do litoral brasileiro está perdendo espaço com o avanço do mar.

Para o geólogo e geógrafo Dieter Muehe as mudanças climáticas estão provocando tempestades em ritmo acelerado e a elevação acelerada do nível do mar na costa brasileira já é uma realidade. Alguns exemplos recentes como as ressacas que ocorreram na Praia da Armação, em Florianópolis, SC, ou na Praia da Caueira, em Itaporanga d’Ajuda, em Sergipe, mostraram a vulnerabilidade das faixas de areia que correm o risco de desaparecer das praias do Brasil.

“As regiões urbanas são as que correm mais risco. Isso está acontecendo em várias praias do Rio de Janeiro, como Piratininga, Ipanema e Cabo Frio”, disse Muehe.
Ao lado das mudanças no clima, a ação direta do homem também contribui de forma significativa para a resposta do mar. Construções muito próximas da praia que invadem a faixa de areia são as primeiras a serem atingidas pela maré alta, obrigando no futuro a desocupação da região.

Segundo Muehe, a situação pode ser revertida por meio de dragagens com areias idênticas às da praia ou mais grossas. Segundo o especialista, é preciso fazer valer a lei e respeitar a distância prevista para as construções ao longo da orla, que variam de 50 a 200 metros do mar. Em grande parte da orla brasileira essa distância não é respeitada e os impactos do mar são visíveis a cada ano que passa.

Muehe acrescentou em seu estudo que já existem algumas praias no mundo em que a areia é reposta anualmente. No entender do pesquisador, no Brasil essas ações precisam ser intensificadas e coordenadas de forma mais eficiente e objetiva e pouca coisa está sendo feita nesse sentido.


Fotos: Os efeitos do avanço do mar são notáveis nestas duas imagens. O hotel mostrado, localizado na Orla de João Pessoa, na Paraíba, ainda não sofria com a elevação do nível do oceano quando foi concluído em 1971. Com o passar dos anos, o avanço do mar atingiu a construção e pode no futuro obrigar a desativação do local ou até mesmo sua remoção. Crédito: Apolo11.com
Disponível em: http://www.profissaomestre.com.br/php/verMateria.php?cod=4847

2 comentários:

Jura disse...

Professora parabéns pelo trabalho em prol do meio ambiente, com a divulgação de dados sobre os danos que causamos a natureza. Usarei trechos de seu trabalho para um resumo em Direito Ambiental (Curso direito na FAPAS-Santa Maria/RS). Fiquei chocado com o estrago praticado pelo mar, ao Hotel em Tambaú, em João Pessoa-PB, cidade em que morei.

Maria Olandina (Mary) disse...

Boa tarde, Jura.

Fico feliz em poder ajudar divulgando notícias sobre as questões ambientais. Porém, quero deixar claro que esse não é um trabalho meu. Eu apenas divulguei o trabalho. Que está disponível em http://www.profissaomestre.com.br/php/verMateria.php?cod=4847 como está citado no fim do post.
Abraços

Postar um comentário

Paisagens do mundo